logo
©2017 Santafé Digital
Santafé Ideias | Usina Jirau é inaugurada em Rondônia
845
post-template-default,single,single-post,postid-845,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-1.1.6,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
 

Usina Jirau é inaugurada em Rondônia

Usina Jirau é inaugurada em Rondônia

Jirau nasceu como um dos maiores desafios de engenharia e meio ambiente do Brasil. Construir uma hidrelétrica na Amazônia, idealizada aos olhos do mundo como santuário ecológico intocado. Um obra gigantesca nas dimensões do nosso país, que exigiria a mobilização de 25 mil trabalhadores, instalação de fábrica de cimento, a movimentação de incontáveis metros cúbicos de terra, toneladas de cimento, muito aço, ferro, máquinas. Muito trabalho e talento.

Em 16 de dezembro de 2017, 88 meses após a emissão da licença de instalação, antes do prazo pré estabelecido, a Energia Sustentável do Brasil entregou aos brasileiros a USINA JIRAU – ENERGIA LIMPA EM POTENCIA MÁXIMA PARA O BRASIL.

A usina foi planejada para gerar 3.300 MW. É inaugurada com uma quantidade inédita de turbinas para a engenharia mundial: 50 com capacidade de 3.750 MW. O suficiente para levar energia a mais de 40 milhões de pessoas, o que representa 3,7% de toda energia hidrelétrica gerada no Brasil, consolidando-se como a terceira maior do país.

Jirau possui a maior turbina bulbo em potência unitária instalada do mundo, com 75 MW, as únicas que conseguem gerar energia de forma eficiente nas mais complicadas variações do Rio Madeira.

As Turbinas foram especialmente projetadas sob encomenda para Jirau, construídas pela Dong Fang. Outro desafio!

Transportar cada um das turbinas, de 250 toneladas, fabricadas na China para o rio Madeira, em Rondônia. Operação gigantesca de logística realizada com sucesso, sem perdas, sem acidentes e bem sucedida.

Jirau foi registrada no Mecanismo de Desenvolvimento Livre (MDL) da ONU como maior projeto de energia renovável do mundo. Graças a este registro o projeto se tornou elegível para o recebimento de créditos de carbono e posterior comercialização ou doação.

A ESBR planejou e construiu Nova Mutum-Paraná para acolher moradores da vila Mutum-Paraná e de áreas afetadas pelas águas represadas do Madeira.
Localizada à margem da BR-364, a 120 km da capital rondoniense, Nova Mutum foi planejada tendo como objetivo melhoria na qualidade de vida dos moradores da região.

No total foram investidos mais de R$ 400 milhões na área social beneficiando milhares de moradores da área de influência da Usina Jirau.

A construção de Jirau promoveu investimentos em pesquisa da fauna, flora, arqueologia, história, preservação da memória em parceria com Universidade Federal de Rondônia; Universidade Federal do Paraná, Universidade de São Paulo e várias outras entidades cientificas brasileiras.

Jirau veio para ficar. Para crescer com Rondônia, para crescer com o Brasil. E foi possível graças ao espírito empreendedor, a crença, no projeto e no Brasil, que teve como sócios empresas comprometidas como a ENGIE, Eletrosul, CHESF e Mitsui. E também a Santafé Ideias, que cuida da comunicação da usina desde antes do início da construção, realizou trabalho de mobilização social com a comunidade que seria deslocada para a nova cidade e também foi a responsável pela organização do evento de inauguração.